Nos Estados Unidos a ideia de imóveis específicos para idosos já é uma realidade. E no Brasil? Saiba mais!

Cada um tem a sua casa, mas todos os vizinhos compartilham espaços, criam regras e se ajudam. O que os une são laços afetivos criados por interesses comuns. Esse é o conceito de cohousing, ainda pouco conhecido no Brasil, mas que vem despertando interesse, especialmente dos idosos. A ideia é que grupos com os mesmos objetivos construam vilas ou condomínios para viverem juntos e uns cuidarem dos outros.

Há décadas a arquiteta e urbanista Lilian Avivia Lubochinski, de 69 anos, moradora de São Paulo, estuda modelos de construções para a terceira idade. Há alguns anos ela vem unindo grupos de idosos com interesse em cohousing (que ela chama em português de co-lares) para colocar em prática o conceito.

José Ricardo Ramos Cerqueira, CEO da J.R.Cerqueira Negócios Imobiliários, baseada em Alphaville (SP) e com parceria nas divisões internacionais da principais incorporadoras da Flórida, diz que muitos incorporadores optam por construírem empreendimentos para a terceira idade nos Estados Unidos por se conseguirem programas de incentivo do governo.

E no Brasil?

“No Brasil é mais difícil um idoso comprar um imóvel do que nos Estados Unidos, principalmente quando é necessário financiar. Muitas instituições financeiras no Brasil não aprovam empréstimos longos dependendo da idade, inviabilizando a compra para a maioria”, comenta Cerqueira.

Ele afirma que nos Estados Unidos as regras são mais flexíveis, fazendo com que esse mercado destinado à terceira idade seja cada vez mais acentuado. “Por isso tantos empreendimentos com este perfil estão sendo erguidos”.

Referências:

https://revista.zapimoveis.com.br/cohousing-ou-co-lares-para-idosos-moradias-com-lacos-afetivos/

https://revista.zapimoveis.com.br/estados-unidos-investem-em-imoveis-especiais-para-a-terceira-idade/